Animais

A análise de ponta de dentes pré-históricos lança uma nova luz sobre as dietas de lagartos e cobras


Uma nova pesquisa revelou que as dietas dos primeiros lagartos e cobras, que viveram ao lado dos dinossauros há cerca de 100 milhões de anos, eram mais variadas e avançadas do que se pensava.

O estudo, liderado pela University of Bristol e publicado em Royal Society Open Science, mostrou que lagartos, cobras e mosassauros no período Cretáceo já tinham todo o espectro de tipos de dieta, incluindo carnívoros e vegetais, que eles têm hoje.

Existem atualmente cerca de 10.000 espécies de lagartos e cobras, conhecidas coletivamente como escamas. Sua grande diversidade foi originalmente considerada como tendo sido adquirida somente após a extinção dos dinossauros, mas as descobertas demonstram pela primeira vez que as escamas tinham níveis modernos de especialização alimentar 100 milhões de anos atrás.

Fósseis de lagartos e cobras são bastante raros no Mesozóico, a era dos dinossauros e répteis. Isso pode ser simplesmente porque seus esqueletos são pequenos e delicados, tão difíceis de preservar, ou pode mostrar que lagartos e cobras eram muito raros na primeira metade de sua história.

Os pesquisadores estudaram 220 escalas mesozóicas, que compreendem lagartos, cobras e mosassauros, um grupo de grandes répteis marinhos extintos. Eles mediram suas mandíbulas e dentes e os designaram para aulas de dieta em comparação com os métodos modernos. Alguns têm dentes longos em forma de pinos e se alimentam de insetos, outros têm dentes planos que são usados ​​para mordiscar alimentos vegetais. Predadores têm dentes afiados e pontiagudos, e cobras têm dentes em forma de gancho para agarrar suas presas.

Todas as formas fósseis foram atribuídas a uma das oito categorias de alimentação e, então, sua diversidade foi avaliada ao longo do tempo. Para a surpresa dos pesquisadores, descobriu-se que as escalas escamosas do Cretáceo incluíam exemplos de todas as estratégias modernas de forrageamento.

“Não sabemos ao certo quão diversas eram as escalas no Cretáceo”, disse o autor principal, Dr. Jorge Herrera-Flores, que agora é pesquisador da Universidade Nacional Autônoma do México.

“Mas sabemos que eles já haviam atingido a diversidade alimentar completa do tipo moderno há 100 milhões de anos, em meados do Cretáceo. Antes, as escamas já existiam há mais de 100 milhões de anos, mas pareciam ser principalmente comedoras. De insetos até aquele momento “.

“O estudo dos dentes e mandíbulas fornece uma excelente compreensão da variedade alimentar e ecológica”, disse o co-autor Dr. Tom Stubbs, Pesquisador Associado da Escola de Ciências da Terra da Universidade de Bristol. “Dentes fósseis e mandíbulas nos dão a melhor ideia da evolução das escamas no passado. Seria fácil ler o registro fóssil incorretamente devido à conservação incompleta. No entanto, mais achados fósseis só poderiam aumentar o número de modos de alimentação. que identificamos no Cretáceo, não reduzi-los. “

A explicação para essa onda inicial de experimentação alimentar pode estar relacionada à diversificação em outras áreas. Por exemplo, neste ponto do Cretáceo, as plantas com flores apenas começaram a florescer e já estavam transformando os ecossistemas terrestres, enquanto as escamas também prevaleciam nos oceanos.

“A Revolução Terrestre do Cretáceo tornou as florestas mais complexas”, disse o co-autor Professor Michael Benton, professor de Paleontologia de Vertebrados na Faculdade de Ciências da Terra. “As novas plantas com flores forneceram oportunidades para os insetos e outras criaturas assustadoras se alimentarem de folhas, pólen e néctar e se esconderem no dossel. Essa explosão de diversidade provavelmente deu um impulso aos mamíferos, pássaros e escamas. em insetos, aranhas e outras criaturas, bem como no novo alimento vegetal “.

O novo trabalho não fornece a única razão pela qual as escalas são tão diversas hoje, quase tão diversas quanto os pássaros. No entanto, mostra que seus ancestrais já haviam explorado todos os nichos de alimentação possíveis há 100 milhões de anos antes que os dinossauros se extinguissem.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo