Animais

A água-viva cria uma ‘parede virtual’ para melhorar o desempenho


Uma nova pesquisa conduzida pela University of South Florida descobriu uma das razões pelas quais as águas-vivas passaram a ser conhecidas como “a nadadora mais eficiente do mundo”. Brad Gemmell, professor associado de biologia integrativa, descobriu que a água-viva produz dois anéis de vórtice, que são corpos de fluido em forma de rosca sob seus corpos translúcidos, que giram em direções opostas. Eles aparecem quando as águas-vivas se apertam e reabrem ao longo de cada ciclo de nado, fornecendo uma força de “efeito solo” como se estivessem empurrando o fundo do mar.

O “efeito solo” é mais amplamente conhecido nas pistas de aeroportos. Durante a decolagem, o ar é comprimido entre a aeronave e o solo, criando pressão e força que aumentam o desempenho. Os experimentos de Gemmell mostraram que as águas-vivas podem usar seus dois anéis de vórtice em vez do solo. Os anéis de vórtice resistem uns aos outros, criando uma “parede virtual” que fornece um aumento semelhante no desempenho em comparação com animais nadando perto do fundo. Nunca antes foi demonstrado que um animal cria esse fenômeno fora de uma fronteira sólida.

“O fato de esses animais simples terem descoberto como obter um impulso do tipo ‘efeito solo’ em águas abertas, longe de qualquer superfície sólida, tem o potencial de abrir uma gama de novas possibilidades para veículos de engenharia tirarem proveito desse fenômeno. “Gemmell disse.

No estudo publicado em Anais da Royal Society B, Gemmell capturou o movimento registrando os movimentos de oito águas-vivas nadando em um recipiente de filme de vidro usando uma câmera digital de alta velocidade a 1.000 quadros por segundo. Ele e seus colegas testemunharam águas-vivas que estavam em movimento tendo um aumento de 41% na velocidade máxima de nado e um aumento de 61% na distância cumulativa percorrida por ciclo de natação em comparação com aquelas começando do repouso.

Ao contrário da locomoção por hélices, as águas-vivas não produzem bolhas de cavitação e são silenciosas, permitindo que se movam silenciosamente na água. A alta eficiência da natação também os ajuda a armazenar energia para crescimento e reprodução. Vários grupos de pesquisa usam águas-vivas como modelo para desenvolver veículos subaquáticos que podem ser equipados com sensores que monitoram o oceano sem interrupção. Essas novas descobertas podem melhorar o desenvolvimento dessas tecnologias e uma maior compreensão do oceano.

Fonte da história:

materiais fornecido por University of South Florida (USF Innovation). Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo