Animais

A agressão animal depende da classificação dentro das hierarquias sociais


Humanos e animais avaliam-se constantemente. No local de trabalho, um novo contratado aprende rapidamente quais colegas de trabalho são mais respeitados e, portanto, têm mais poder. Os irmãos mais velhos governam em torno dos irmãos mais novos. Na natureza, um chimpanzé macho dominante luta contra intrusos em potencial. Até peixes e polvos interagem dentro de hierarquias sociais.

Essas ordens hierárquicas foram estudadas no mundo da ecologia comportamental por quase 100 anos. A maneira como os indivíduos interagem pode afetar o acesso a alimentos e companheiros, até mesmo a sobrevivência, e a compreensão desses comportamentos pode levar a um melhor gerenciamento de populações ameaçadas e em perigo. Mas poucos estudos exploraram o que os animais que vivem dentro dessas hierarquias de domínio realmente sabem uns sobre os outros. Quanto mais os animais se conhecem, mais eles podem otimizar sua agressão. Nova pesquisa, publicada em 3 de março em PNAS, oferece a primeira visão geral das informações nesses sistemas animais.

Usando um novo método computacional, os pesquisadores examinaram dados existentes sobre agressão, o primeiro de um estudo de 1934 com pombos, em 172 grupos sociais de 85 espécies em 23 ordens, procurando padrões de dominância social. Eles encontraram três estratégias principais de agressão empregadas por indivíduos: simplesmente lutar contra oponentes de escalão inferior; especializar-se em lutar contra “competidores próximos” classificados logo abaixo deles; e oponentes que intimidam são classificados muito mais baixo. A maioria dos grupos pertencia à primeira categoria, onde a agressão poderia ser explicada por animais seguindo uma hierarquia de dominância básica, mas vários grupos usaram competidores próximos ricos em informações ou estratégias de intimidação para ajustar sua escolha de oponentes.

Rank influencia claramente como um indivíduo trata o outro, diz a bióloga Elizabeth Hobson, principal autora do estudo. Ela é atualmente professora assistente na Universidade de Cincinnati e anteriormente foi pós-doutoranda em complexidade no Santa Fe Institute, onde fez grande parte da pesquisa.

“O que podemos fazer com nossa abordagem computacional é obter uma nova perspectiva sobre como os animais lidam com conflitos dentro dos grupos e o tipo de informação que informa essas decisões”, diz ele. Simon DeDeo da Carnegie Mellon University e o Santa Fe and Dan Mønster Institute da Aarhus University na Dinamarca também contribuíram para o trabalho.

Alguns resultados surpreenderam a equipe. Por exemplo, descobriu-se que o pronghorn, um veloz ungulado americano apreciado por seu andar gracioso, pode ser um valentão. “Eles parecem tão fofos, certo?” diz Hobson. “Você não espera que eles tenham uma estratégia de intimidação em seu grupo.”

Outra ideia inesperada foi que os padrões de dominação social podem variar de grupo para grupo dentro da mesma espécie. Por exemplo, um grupo de elefantes africanos se comporta de acordo com uma hierarquia de competidores próximos, enquanto outro grupo exibe comportamento de intimidação.

Não está claro por que as estratégias de dominação às vezes diferem entre os grupos, mas este e outros estudos sugerem que elas podem mudar dependendo do contexto no qual os indivíduos interagem.

Por exemplo, “Você pode ter rivais próximos, então pode ter que ter um conflito para resolver isso”, diz DeDeo.

Hobson diz que espera que o estudo inspire outros pesquisadores a ver como a informação social é usada dentro e entre as espécies. Isso poderia fornecer uma base para responder a questões ainda mais importantes sobre como a complexidade social surge nos animais e como os animais desenvolveram as habilidades cognitivas para representar esses padrões de dominação social.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Instituto Santa Fe. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo